RSS
O Conexão UMADEN agora se chama Conexão Jovem!

Estamos em um novo endereço, a partir de agora se você quer saber informações sobre o Departamento de Jovens e Adolescentes acesse o Blog do DEJAD.

Relacionamentos: saiba mais sobre envolvimentos via Internet à luz da Bíblia



Márcia Cristina Dantas Leite Braz
Profa. da EBD - IEADERN


Bem pessoal, seguimos com nossa coluna sobre relacionamentos. Desta vez, a professora Márcia Braz trata sobre os relacionamentos no mundo virtual. Confira e deixe seu comentário!

O MOVEDIÇO E ILUSÓRIO ENGANO: OS RELACIONAMENTOS NO CYBERESPAÇO E AS IMPLICAÇÕES PARA A VIDA PSICOLÓGICA E ESPIRITUAL DOS CRISTÃOS

Tratar sobre o tema proposto, me veio logo duas questões: seria um desafio e exposição. Não duvidei da dificuldade que teria em escrever a
lgo a respeito, pois esta temática ainda é incipiente para a ciência, principalmente no campo da psicologia do cyberespaço, como também, no tornar público meu posicionamento como cristã e professora da Escola Bíblica Dominical.

Atualmente, é possibilitada uma convivência em dois planos de mundo: um real e outro virtual, e como lidar com eles e neles, proporcionam aos indivíduos um possível paralelismo, um terreno fértil para novas relações sociais e construção de identidades. E, diga-se de passagem, tem se apresentado como campo movediço da moral e ética, essencialmente nos espaços de relacionamentos interpessoal e intrapessoal. Como jovens cristãos, vivemos mais esse desafio: como se não bastasse nosso testemunho no plano real, concreto, temos que ser testemunhas de Cristo no plano virtual.

O cyberespaço configura-se em um ambiente interativo de comunicação totalmente novo, mediado pelo computador, por isso, a interação é sua característica principal, onde pode se construir um senso de controle e de criação que, em alguns casos, divergem entre os planos real e virtual.

Por exemplo: no plano real nas relações interpessoais que construo com meus pares, trago elementos identitários configuradores de mim: sou Márcia Braz, cristã, casada, mãe de dois adolescentes, professora universitária, doutoranda em educação.

No virtual, posso criar uma rede interpessoal indiscriminada, além fronteira, com base num perfil masculino, solteiro, estudante, ateu, etc, com repercussão intrapessoal sintomáticas. O que quero dizer é que, no cyberespaço, novas formas de interação baseadas em modelos psicossociológicos e de sociabilidade acarretam novos tipos de estruturas relacionais que diferem das descrições de interações psicossociais tradicionais.

Quando assumimos o compromisso de sermos testemunhas de Cristo, a verdade passa a ser princípio fundamental ético constituidor de nossas relações intra e interpessoais. Em Mateus 5:37, Jesus no sermão da montanha avisa: “Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim; Não, não; porque o que passa disto é de procedência maligna”.

São inegáveis as contribuições da Web para a abolição de fronteiras, a relativização das distâncias, a dinamização da comunicação para a economia e política. Como espaço para evangelização e pólo virtual de demarcação de grupos, dentre eles, grupos de jovens, servindo de mais um espaço emocional de pertença de grupos, quando conduzido de forma equilibrada e saudável. Porém, acredito que ainda não estamos sabendo lidar com as implicações dessas contribuições na constituição de nossas personalidades.

Com o acelerado desenvolvimento da tecnologia digital de comunicação, os nossos modos de pensamento e ação provocados pelas distorções da nossa percepção de espaço e tempo do cyberespaço, inauguram outras formas dos indivíduos se portarem, levando-os a experienciarem conseqüências patológicas como o caso do efeito desinibidor inerente à interação on-line.

Segundo Griffths (1998), o que criam nos espaços virtuais em termos de personalidades pouco pode implicar e repercutir no espaço-tempo local e real. Com isso, as pessoas se sentem livres para se expressarem de maneira irrestrita. A meu ver, para pessoas ditas cristãs que assim se portam nos espaços virtuais, acabam por relativizar conceitos bíblicos acerca de pecado, santidade, sexualidade, citando apenas alguns. Ademais, o “senso de onipotência criadora” de perfis acaba por alimentar a natureza humana carnal de um invejável atributo divino: o da Criação. E sabemos de onde tal senso advém.

O SUPORTE SOCIAL
Young (1998) ao discutir as implicações para o tratamento efetivo do uso patológico da internet, identificou três áreas de reforçamento psicológico envolvido na comunicação mediada pelo computador: o suporte social; a realização sexual e a criação da persona. Trataremos apenas da primeira, do suporte social.

O suporte social traduz-se no cyberespaço em que seus usuários formam um senso de comunidade de convenções sociais, regras e cortesias tradicionais diferentes das usuais.
Foi constatado em suas pesquisas que já nos primeiros encontros, os usuários dizem aos outros, coisas de sua vida íntima, permitindo que esses desconhecidos acessem sua vida pessoal. O que motiva o indivíduo a agir desta forma é a necessidade de ser alimentado emocionalmente do sentimento de pertença, do sentir-se perto, afiliado a um grupo.

O mundo físico é deixado para trás, formando-se uma sociedade baseada no texto. A troca de palavras permite um profundo significado psicológico enquanto os laços íntimos com pessoas virtuais são rapidamente formados. Em alguns casos, tais experiências virtuais, criam um suporte social que responde a uma necessidade das pessoas que na vida real estão interpessoalmente empobrecidas. Os que assim agem, passam a ser dependentes emocionais dessas comunidades virtuais. Elas aceitam mais riscos emocionais, expressam suas opiniões acerca de temas polêmicos, sem medo de rejeição, confrontação ou julgamento.

Nosso objetivo com esta breve reflexão foi de elencar as implicações psicológicas e espirituais do como portarmos no cyberespaço, sem esquecermos que somos testemunhas de Cristo nos planos real e virtual. A mentira e o senso de criação estão implícitos no trânsito da comunicação mediada pelo computador, aspectos altamente contrários ao princípio de obediência à Palavra de Deus.

Destacamos também, as contribuições que os espaços da Web têm proporcionado ao desenvolvimento da economia, política, cultura. Mas ao mesmo tempo, anunciei o cuidado de lidar com ele. Acredito que com essas reflexões podemos criar outros espaços concretos, de vivências saudáveis dentro da programação da juventude da Igreja em que os jovens possam se posicionar diante de questões contemporâneas sem pré-julgamentos, sem censura; onde teólogos, profissionais especializados, pastores, possam conduzir discussões saudáveis e à luz da Palavra de Deus com a finalidade de forjar personalidades conscientes, fortalecidas na Fé inabalável em Cristo Jesus.

Finalizo com o versículo de Hebreus 13:18: “Orai por nós, porque confiamos que temos boa consciência, como aqueles que em tudo querem portar-se honestamente”.



Referências:
GRIFFTHS, M. (1998). Viciados em Internet. .Net. 4, 15, 22-26. KAPLAN, H. I., Sadock, B. J., Grebb, J. A. (1997).Compêndio de Psiquiatria.(7. ed.). São Paulo: Artes Médicas. (pp. 562-574; 591-593; 683; 692-693).

YOUNG, K. & Suler, J. (1998).Internet Behavior and Addiction. www.ifap.ch/ibp/res.html.

Bíblia de Estudo Vida.

0 comentários:

Postar um comentário